Blog

FTE: aprenda avaliar a produtividade da empresa

Tempo de leitura: 3 minutos

Avaliar a produtividade da empresa é uma tarefa desafiadora para muitos gestores. Para tornar esse exercício mais simples, uma ótima solução é buscar por metodologias que permitem quantificar os esforços dos funcionários. E é exatamente isso que o FTE pode trazer para o seu negócio.

FTE (full-time equivalent) é uma maneira de os empregadores medirem as horas úteis trabalhadas pelos seus funcionários. Com base nessa metodologia, é possível estabelecer uma comparação dos níveis de envolvimento de cada colaborador da empresa, mesmo que eles possuam cargas horárias distintas.

Quer entender como o FTE pode ser usado para avaliar a produtividade da sua empresa? Então confira neste artigo.

O que é FTE – full-time equivalent?

O FTE é um parâmetro que mede o número de horas em que estão sendo efetivamente trabalhadas na sua empresa. Afinal, é preciso considerar que é quase impossível que um funcionário seja produtivo ao longo das suas 8 horas de trabalho.

Todos os funcionários fazem pausas para ir ao banheiro, tomar um cafezinho, conversar com seus colegas de trabalho ou checar as redes sociais. Isso faz parte de qualquer negócio. Porém, existe uma dificuldade de mensurar a produtividade dos colaboradores por conta disso.

Na prática, o FTE permite que os gestores visualizem com mais clareza o tempo de produtividade mensal de cada colaborador e analisem se a jornada de trabalho está valendo o custo.

Benefícios de utilizar o FTE

Otimizar a alocação da força de trabalho é um dos objetivos buscados pelos gestores para que seja possível alcançar níveis satisfatórios de produtividade, custos e competitividade. Além disso, é uma ótima forma de reduzir o turnover.

Ao utilizar o FTE, você obtém conhecimento mais preciso sobre sua real força de trabalho. Como consequência, pode identificar as necessidades e capacidades da organização – alocando os colaboradores conforme seus perfis e diminuindo os índices de insatisfação.

Veja quais são os principais momentos em que você pode usar o full-time equivalent para tomar uma decisão mais correta:

  • Cálculo dos custos de um novo funcionário
  • Recrutamento/contratação
  • Pagamento de salários
  • Concessão de benefícios
  • Compra de equipamentos
  • Escolha entre período integral e meio período
  • Avaliação da viabilidade de contratar uma empresa terceirizada
  • Contratação de ferramentas de automação
FTE
Imagem de Malachi Witt por Pixabay

Como calcular?

O FTE tem como objetivo calcular o total de horas contratadas dos colaboradores que trabalham em uma organização. Para isso, é preciso considerar que 1 colaborador em tempo integral representa 1 FTE, enquanto que 1 colaborador de meio período representa 0,5 FTE.

O cálculo do FTE é bastante simples e leva em consideração os seguintes fatores:

  • Férias
  • Feriados
  • Faltas justificadas
  • Dias úteis do ano
  • Atrasos
  • Taxa de ociosidade (normalmente calculada em 15% do tempo total de trabalho)

Os colaboradores que trabalham em tempo integral geralmente possuem uma jornada de 40 horas de trabalho semanais. Nesse caso, o cálculo funciona da seguinte forma:

  • Deve-se multiplicar a quantidade de colaboradores integrais pela carga semanal (40 horas)
  • O resultado será multiplicado pela quantidade de semanas trabalhadas por ano (52 semanas)

Imagine uma empresa com 15 colaboradores que trabalham 40 horas semanais. Ao multiplicar esses valores, chegamos ao resultado de 600.

Multiplicando 600 pelas 52 semanas do ano, o resultado é de 31.200 horas trabalhadas por ano.

Porém, ainda é possível fazer um cálculo mais aprofundado e preciso considerando todos os fatores que reduzem o tempo efetivamente trabalhado. Nesse caso, seria possível compreender o FTE de cada um dos funcionários.

Como reduzir o FTE?

Cada empresa possui a necessidade de uma determinada carga de trabalho para realizar suas tarefas mensais. E o objetivo é que seja possível realizar um trabalho eficiente utilizando o mínimo possível de mão de obra, não é?

Quando isso é colocado em prática, ocorre uma redução do FTE. Se, em vez de utilizar 31.200 horas de trabalho por ano fosse possível realizar as mesmas tarefas em 25.000 horas, certamente os custos seriam menores, certo?

Uma alternativa para reduzir o FTE da sua organização é automatizar as tarefas repetitivas que não agregam valor. Quanto mais atividades forem realizadas automaticamente, menor é o tempo de trabalho humano necessário.

A Dootax é um ótimo exemplo de solução de automação que permite a redução da sua carga de trabalho mensal. Trata-se de uma plataforma que oferece uma ferramenta que automatiza tarefas da área fiscal – incluindo emissão de documentos fiscais, pagamento de tributos, armazenamento de documentos, manifesto do destinatário e muitos outros recursos.

Você já conhecia o conceito de full-time equivalent? Quer conhecer melhor os recursos das soluções Dootax? Então visite nossa página.

Compartilhe
Avatar
Sobre o autor

Thiago Souza

Deixe uma resposta

Posts relacionados

Termina amanhã o prazo para credenciamento de novos contribuintes à NFC-e em SP
Termina amanhã o prazo para credenciamento de novos contribuintes à NFC-e em SP

A SEFAZ/SP prorrogou somente até amanhã (27/03/15) o prazo para credenciamento de novos contribuintes ao projeto piloto da NFC-e em São Paulo. Somente os contribuintes participantes do piloto estão autorizados atualmente à emitir a NFC-e em produção. Os demais contribuintes tem acesso somente ao ambiente de homologação, e terão que aguardar a divulgação do calendário […]

Como manter meu departamento fiscal em ordem durante a pandemia?
Como manter meu departamento fiscal em ordem durante a pandemia?

Neste artigo reunimos 5 dicas para manter o seu departamento fiscal em ordem durante a pandemia. Acompanhe.

Gerador de GNRE: conheça as vantagens
Gerador de GNRE: conheça as vantagens

Um gerador de GNRE pode fazer a diferença no seu departamento fiscal. Conheça agora as vantagens de emitir e pagar guias automaticamente.

Escritórios