Blog

Para que serve o QR Code da NFC-e?

Tempo de leitura: 2 minutos

Na NFC-e, o processo de autorização prévia da SEFAZ aprovando a emissão da nota é muito delicado, porque envolve o cliente esperando na loja para poder sair com a mercadoria. Como forma de amenizar esse problema foi criada a contingência offline, permitindo que em caso de qualquer problema técnico o contribuinte consiga imprimir o DANFE e liberar o consumidor.

Essa impressão do DANFE totalmente offline e sem que a SEFAZ tome conhecimento da operação, põe em cheque toda a credibilidade da NFC-e, já que contribuintes mal intencionados poderiam imprimir o DANFE através da contingência offline e posteriormente não transmitir os dados da operação, ou fazê-lo de forma incompleta.

O QR Code – por incrível que pareça – é a alternativa que o Fisco encontrou para minimizar essa possibilidade de evasão fiscal, e de quebra ainda apresenta alguma facilidade para os consumidores que podem utilizá-lo para consultar os dados da NFC-e no site da SEFAZ.

Na formação do QR Code o emitente deve incluir duas informações importantes:

– O valor total da operação; garantindo que quando essa nota fiscal for enviada à SEFAZ o emitente não alterará o valor da venda.

– O Token (ou Código de Segurança do Contribuinte); como a impressão em contingência offline não depende de nenhuma autorização da SEFAZ e nem possui assinatura digital, o Token permite à SEFAZ reconhecer o emitente daquele DANFE e também garante às empresas que terceiros não consigam falsificar DANFEs utilizando seus dados.

Apesar de o QR Code apresentar alguma inteligência buscando diminuir a evasão fiscal, somente o consumidor que recebe a NFC-e é que poderá de fato exercer o poder fiscalizador verificando se aquela nota fiscal foi realmente transmitida à SEFAZ.

Emissão de NFCe de maneira descomplicada

A solução de emissão de NFCe do Dootax, funciona como uma mensageria de seu “frente de caixa”, através do certificado digital faz a assinatura eletrônica do documento, a comunicação, autorização com a Secretaria da Fazenda responsável e a impressão ou envio da DANFE para o usuário. Tudo feito de maneira prática, basta uma simples requisição e o nosso software cuida de toda a parte burocrática. Entre em contato para uma apresentação e conheça toda as vantagens para a sua empresa.

Compartilhe
Avatar
Sobre o autor

Thiago Souza

Deixe uma resposta

Posts relacionados

CTe 2.0 será desativado em 4 de dezembro de 2017
CTe 2.0 será desativado em 4 de dezembro de 2017

De acordo com o Manual de Orientações do Contribuinte – Versão 3.00 disponibilizado pela fazenda, o layout 2.00 de CTe deixará de funcionar a partir do dia 04 de dezembro de 2017 (04/12/2017). A partir dessa data, somente XMLs adequados ao layout 3.0 serão aprovados. O Dootax, já está adaptado a essas mudanças, fique tranquilo! […]

O que é Lucro Real?
O que é Lucro Real?

Entenda melhor o que é o Lucro Real, suas principais características e quais empresas devem optar por este regime.

DT-e: O que muda com a MP da Liberdade Econômica?
DT-e: O que muda com a MP da Liberdade Econômica?

Você sabe o que é a Medida Provisória da Liberdade Econômica, aprovada na última quinta-feira (11) no Congresso? A MP estabelece garantias ao livre mercado, prevê imunidade burocrática para startups e extingue o Fundo Soberano do Brasil. Entre os pontos analisados pela comissão, está a criação do Documento de Transporte Eletrônico (DT-e). O texto propõe desburocratizar […]