Blog

DTE – Domicílio Tributário Eletrônico

Tempo de leitura: 4 minutos

O Domicílio Tributário Eletrônico (DTE) é uma plataforma criada pelo governo para servir como canal principal de comunicação entre o contribuinte e as mensagens e cobranças oficiais do governo. Trata-se de outra das mudanças promovidas para modernizar a relação entre os contribuintes e o poder público através do uso da internet.

Antes do surgimento do DTE, a única forma de o contribuinte ser intimado pela Receita Federal era por meio de cartas registradas – gerando uma grande burocracia e tornando os processos muito longos. Com a possibilidade dessa comunicação em formato digital, o contribuinte pode ser intimado para apresentar defesas e tomar ciência de atos administrativos através de uma caixa postal disponível na internet.

Ao longo deste artigo veremos as principais informações sobre o Domicílio Tributário Eletrônico – DTE. Acompanhe.

O que é o DTE?

O Domicílio Tributário Eletrônico é uma caixa postal disponibilizada em formato digital em que são postadas e armazenadas as correspondências de caráter oficial destinados ao contribuinte. A previsão legal para o DTE está no art. 23 do Decreto 70.235/72, que trata sobre o processo administrativo fiscal:

Art. 23. Far-se-á a intimação:
(…)
III – por meio eletrônico, com prova de recebimento, mediante:
a) envio ao domicílio tributário do sujeito passivo; ou
b) registro em meio magnético ou equivalente utilizado pelo sujeito passivo.

A intimação realizada através do DTE pode ser realizada pelas Prefeituras, Secretarias de Fazenda Estaduais e Federal – com o uso de plataformas diferentes para cada uma dessas esferas. Para garantir o sigilo, a identificação, a autenticidade e a integridade das comunicações, o acesso à caixa postal eletrônica é permitida apenas para usuários autorizados e portadores de certificação digital.

O que mudou com a introdução do DTE?

A grande mudança trazida pelo Domicílio Tributário Eletrônico é a possibilidade de receber notificações e intimações do poder público sem depender da comunicação via postal ou pessoal. Assim como grande parte das comunicações empresariais migraram para o formato digital (com o uso de e-mails e aplicativos de bate-papo), a comunicação oficial do poder público também passa a funcionar digitalmente.

É importante frisar que o ente da administração tributária tem liberdade para regulamentar e disciplinar a forma de adesão ao serviço para os contribuintes. Enquanto âmbito estadual e municipal o credenciamento é obrigatório, no âmbito federal essa adesão é facultativa.

Entretanto, existe uma grande ressalta sobre a facultatividade de adesão ao DTE no âmbito federal: o contribuinte que acessa o portal e-CAC para utilizar determinados serviços de forma eletrônica passa a ser obrigado a usar o Domicílio Tributário Eletrônico.

Presunção de conhecimento dos fatos

Uma característica marcante do DTE é a presunção de conhecimento dos fatos. Após o credenciamento do contribuinte no sistema, os prazos processuais começam a correr a partir do envio da intimação em formato digital. Mesmo que o contribuinte não acesse a mensagem e não tenha conhecimento sobre o seu conteúdo, os prazos começam a correr.

Ou seja, é preciso ficar muito atento para não perder os prazos recursais por conta dessa presunção de conhecimento dos fatos. A partir do momento da disponibilização da comunicação pela autoridade tributária, o prazo começará a fluir em 15 dias no caso da Receita Federal (DTE). Já para as esferas estaduais e municipais é necessário consultar como funciona a fluência dos prazos.

Vantagens e desvantagens do DTE

A utilização do DTE pode gerar diversas vantagens e desvantagens para o contribuinte. Veja quais são as principais delas:

Vantagens

  • Acesso a vários serviços que antes exigiam o deslocamento até a repartição pública;
  • Redução no tempo gasto com trâmite de processos administrativos digitais;
  • Economia e celeridade processual;
  • Segurança contra extravio de correspondência;
  • Garantia do sigilo fiscal.

Desvantagens

  • Qualquer pessoa com certificado digital pode fazer a adesão ao DTE, o que pode gerar situações de cadastramento involuntário – causando complicações por conta da presunção de conhecimento dos fatos;
  • Os prazos começam a fluir a partir do momento em que uma mensagem é enviada – mesmo que o contribuinte não tenha feito a leitura do seu conteúdo;
  • É preciso consultar frequentemente a caixa postal eletrônica para não perder os prazos;
  • O uso do DTE requer maior integração entre as áreas contábil, fiscal e jurídica.

Lista de DTEs (federal e estaduais)

O Domicílio Tributário Eletrônico recebe essa denominação na esfera federal, mas pode receber outras nomenclaturas de acordo com o estado ou município. Um ótimo exemplo disso ocorre em São Paulo – que possui as nomenclaturas DEC (Domicílio Eletrônico do Contribuinte) na Secretaria da Fazenda de SP e DECP (Domicílio Eletrônico do Cidadão Paulistano) na Prefeitura da cidade São Paulo.

Para ajudá-lo a identificar a página para buscar mais informações e fazer a adesão ao Domicílio Tributário Eletrônico, separamos uma lista com os DTEs nas esferas federal e estadual:

Você já conhecia o funcionamento do DTE? Gostaria de conhecer outras formas de modernizar a relação da sua empresa com o poder público? Então conheça o DOODoc – a ferramenta ideal para solucionar a emissão e controle de documentos fiscais!

Compartilhe
Avatar
Sobre o autor

Thiago Souza

5 comentário(s)
  1. Avatar Mauricio disse:

    Dootax automatiza o acesso do DT-e de todos os estados ?

    1. Avatar Carlos Lima disse:

      Oi, Maurício. Tudo bom? Sim, a Dootax está integrada à conta corrente (ou DTe) da empresa em todas as UFs que possuem esse modelo, além de ser capaz de fazer o download das guias disponíveis no site da SEFAZ e realizar o pagamento.

  2. Avatar Silvio Oliveira disse:

    Carlos boa tarde.
    a Dootax faz consultas no ambito dfederal e municipal tambem. ?

    1. Avatar Carlos Lima disse:

      Oi, Silvio! Tudo bem e você? Sim, a Dootax faz consultas em órgãos federais, estaduais e municipais.

      Já em relação às perguntas do outro comentário: o sistema acessa o e-CAC, mas para download do DARF gerado pela DCTF-Web. Porém, é possível estender essa funcionalidade para consulta de situação fiscal e outras. Além disso, o nosso software tem integração com a prefeitura de São Paulo para o download das guias de ISS, mas não acessamos o DEC para consulta de notificações, situação fiscal, entre outros.

  3. Avatar Silvio Oliveira disse:

    1- O Sistema consulta o e-CAC ? Situação fiscal, DEC, caixa postal, despachos decisórios e processos da receita federal. ?

    2- O Sistema consulta o DEC da Prefeitura de São Paulo. ?

Deixe uma resposta

Posts relacionados

Certidão Negativa Federal – gerencie de forma automática
Certidão Negativa Federal – gerencie de forma automática

Quer descobrir como gerenciar Certidão Negativa Federal de forma automática? Conheça as funcionalidades do DOOLivery Gestão de Certidões.

Prejuízos de um caminhão parado em posto fiscal
Prejuízos de um caminhão parado em posto fiscal

Ter um veículo barrado em um posto fiscal pode causar sérios prejuízos para sua empresa. Saiba como evitar o problema neste artigo.

Planejamento tributário
Planejamento tributário

Entenda o que é o planejamento tributário e como essa estratégia representa uma vantagem competitiva para sua empresa!